Karol Siqueira: Depilação não é uma obrigação. Temos que entender de uma vez: é uma decisão.

Depilação não é uma obrigação. Temos que entender de uma vez: é uma decisão.


O diálogo sobre o assunto é crescente. Sim, viemos falar sobre pelos, aqueles que nós todos temos. Algumas mulheres repensaram padrões, entenderam que sim, essa é mais uma regra imposta a nós.


Cada mulher pode fazer o que tem vontade com seu corpo. Eu já me permitir tê-los e vê-los: crescendo pelo meu corpo sem serem raspados ou depilados, a minha mentalidade mudou.

“Essa história me persegue. Sou assim, gente. Tem dia que eu faço a tosa, outros não. Eu gosto desse estilo, é o meu jeito. Não me importo com as críticas” – Adriane Galisteu

 Todas as vezes que penso sobre essa liberdade gosto de pesquisar por mulheres que também querem se ver sem amarras, e encontro muitas por aí.

"Depilação é mais uma imposição feita às mulheres"

Entre tantas, a depilação é só mais uma imposição. E para nos livrarmos delas, é bom ouvir as motivações, porquês, razões das mulheres que já fizeram isso, fiz um compilado das experiências que já vi e reunir algumas informações sobre essa decisão de deixar a depilação de fora de suas vidas.


DE ONDE PARTE A DECISÃO?

Há aquela velha preguiça de fazer depilação, mas nunca se pensa que há a possibilidade de realmente não fazer - toda semana bate o ponto. Há opções para todos os gostos, de cera a depilador elétrico, mas não adianta, dentre poucos dias os pelos voltam. É o momento que surge a indagação: isso realmente é uma obrigação?
Pensando a respeito, é fácil chegar a conclusão e ver a depilação como um dos padrões estéticos que a sociedade nos impõe, uma visão feminista te ajuda a perceber que a depilação é opcional, e não uma obrigação.

É comum associar depilação com estética, achar que ela faz parte de um pacote chamado feminilidade, e que chama a atenção dos homens. Só que se não for algo que queira fazer de fato, pode custar sua autoestima. A princípio, não se percebe conscientemente o que está fazendo - ligada no modo automático.


NÃO É UMA QUESTÃO DE HIGIENE

Há especialistas que recomendam uma pausa na depilação, pelo menos por um tempo. Nessa pausa, algumas percebem que não é algo relacionado a higiene. Toda vez que é feita a depilação gera uma agressão constante a pele (os pelos nascem por um motivo em seu corpo, para proteger uma determinada região). Não havendo necessidade, é preciso mesmo perder tempo, dinheiro e sentir uma dor chata só para tirar pelos que vão continuar crescendo ali para sempre? Só se depile quando realmente querer e sentir vontade. Libertar-se de imposições é maravilhoso e te faz MUITO bem, mental e fisicamente.

A NOSSA HISTÓRIA COM PELOS É ANTIGA

Enquanto muitas defendem que a pele deve estar lisinha para o parceiro, pense: "não tem que querer estar assim por você?"; Aceitar os pelos não é fácil, gera muitos olhares e piadinhas de família, pessoas não entendem. Mas a internet pode ser usada para coisas incríveis e te mostrar mulheres que também passam por isso, acredito que essa parte seja fundamental: ter com quem se identificar nos deixa mais fortes na nossa decisão.

A ACEITAÇÃO É UM PROCESSO

Apesar de estar ciente que depilação é totalmente opcional, estamos acostumadas a achar nojento e feio. Quer-se parar de fazer, mas ao mesmo tempo não conseguimos.
Eu já me senti uma falsa feminista, por seguir padrões. Mas, com o tempo, percebemos que feminismo é liberdade! Aceitação leva tempo, regida por muita reflexão, não é só deixar de fazer a depilação. É um processo de autoconhecimento e aceitação do verdadeiro eu, sem influências externas.


COMO LIDAR COM O OLHAR DO OUTRO?

É comum se sentir desconfortável com alguns olhares, porque todo mundo é ensinado a não gostar dos pelos femininos. Para isso, é preciso internalizar o próprio propósito e pensar que os pelos não são nojentos, higiene pode ter a ver com banhos, não com pelos. Quando acontece comigo, penso: "Eu estou limpa! Esses olhares não podem mudar meu sentimento de liberdade!" E sigo a vida! É muito difícil, mas tem que ser como um mantra. O corpo é meu e de mais ninguém.

Se decidir por pelos, pense sempre que não está sozinha nessa decisão, existem muitas garotas como você por aí. Por isso, é tão importante visitar ambientes de debates saudáveis. Procure por matérias com relatos de pessoas abertas a falarem disso. Somos lindas, livres e donas do nosso corpo. Se é algo que te faz bem, persista! No final do dia, o que vale é o que você sente e, o mais importante, estar feliz consigo mesma.

Minha mãe sempre faz comentários da minha axila. No começo é difícil ouvir os comentários, mas meninas ao seu redor podem te dar motivação para continuar. Meus amigos já fizeram piadas. Por vezes deixo de levantar os braços, simplesmente por estar com vergonha. Aí penso que sempre vai existir gente que vai achar feio. Pode ser a coisa mais linda do mundo, a roupa mais maravilhosa, o cabelo mais incrível, sempre vai existir uma pessoa que não vai gostar e eu vou ter que aprender a lidar com isso. A gente gostando e achando bonito, está ótimo.

Nós ainda nos importamos muito com o que os outros falam.

SOBRE AS OPÇÕES

Eu gostaria que principalmente as mulheres vissem isso como uma escolha, igual a qualquer outra. Não te faz menos "mulher" ou menos "feminina" como muita gente acha. Depilar-se não deve ser à pressão da sociedade: tem gente que não suporta ter pelos, assim como as vezes eu quero tê-los outrora não, e as duas opções podem viver lado a lado.

Conhecer mulheres decididas é inspirador para mim. Vendo assim, percebo ainda mais o quanto tudo isso é simples. No máximo é diferente do que você, aí do outro lado da tela, faz hoje. Assim como algumas garotas podem desejar ter cabelos curtos e tingidos, outras, longos e naturais. E se um dia você resolver mudar de ideia também, vá fundo. Faça o que o seu coração e todo o resto do seu corpo mandar.

Pelinhos: Cada um cuida dos seus! :)




Nenhum comentário:

Postar um comentário